4 Dicas Para o Controle Financeiro de Condomínio

Controle Financeiro do Condomínio

A gestão de um condomínio pode ser comparada à gestão empresarial, já que, assim como em uma empresa, no condomínio há funcionários que trabalham para garantir o conforto, a segurança e o bem-estar dos moradores.

Mas é claro que tudo isso tem um custo que deve ser controlado para evitar problemas, e esse é o papel do síndico.

O síndico do condomínio recebe os valores pagos pelos residentes através da taxa de condomínio, e tem o dever de fazer um uso adequado destes recursos, para atender as necessidades dos condôminos.

O uso indevido dos valores ou a falta de prestação de contas pode gerar dúvidas, afetar a credibilidade e trazer problemas para a administração do condomínio.

Sendo assim, o controle financeiro do condomínio deve ser realizado com muito cuidado e atenção para que seja impecável.

Siga as seguintes dicas para não cometer erros no controle financeiro do condomínio:

O planejamento é essencial!

Este é a chave para a eficácia de qualquer controle financeiro, já que com ele é possível identificar a posição atual,  o objetivo a ser alcançado e o que é preciso fazer para conseguir isso.

É necessário fazer um levantamento da situação atual do condomínio, o projeto de receitas e despesas dos meses seguintes e criar um fluxo de capital.

Só assim o administrador pode identificar oportunidades de realizar reformas ou melhorias, sem comprometer as finanças.

Esta análise também permite que se identifiquem problemas no orçamento e verificados os motivos, para depois encontrar uma forma de recuperar o prejuízo e criar o fundo de reserva. –

Desperdícios:

Se muitas vezes não é possível eliminar despesas,  mas sempre é possível evitar desperdícios que acabam onerando o orçamento.

Água, luz, limpeza e conservação são alguns exemplos de despesas que podem ser reduzidas se você conscientizar os condôminos, a participação em campanhas.

Também é possível investir em melhorias de eficiência energética e o uso de recursos sustentáveis, como sistemas de captação de água de chuva ou de captação de energia solar para manter as luzes dos corredores e das áreas de uso comum.

Inicialmente, o investimento é maior, mas a longo prazo, os benefícios são mais do que visíveis.

O controle financeiro eficiente permite que os gastos e os rendimentos sejam equilibradas e garante o bem-estar e o atendimento das necessidades dos moradores.

Controle de inadimplência

Quando a crise financeira chega ao país sobra para todo o mundo, e nos condomínios isso pode ser visto através do aumento da inadimplência entre os moradores.

Os condôminos que pagam em dia seus valores devidos não podem arcar com as despesas de quem está passando por dificuldades, caso contrário, o problema acaba se tornando ainda maior.

É importante mostrar-se acessível e oferecer oportunidades de negociação da dívida, assim que o problema aparece, para evitar que se torne muito grande e medidas judiciais tenham que ser adotadas.

Uma boa reserva financeira pode ajudar a manter os serviços nesses períodos.

Registre todos os gastos e receitas

É importante que tudo esteja devidamente inscrito, para que não ocorram problemas de perda de informação relevante. Até há um tempo, esse controle foi feito em folhas de cálculo, mas hoje em dia a tecnologia já oferece recursos que facilitam a tarefa.

Utilizar um sistema ajuda a simplificar o registro e acesso à informação, além de garantir a segurança das mesmas.

Investir em um sistema de armazenamento em nuvem garante a estabilidade do sistema, a segurança das informações e o acesso de pessoas autorizadas de qualquer lugar e em qualquer horário, através da internet.

O módulo financeiro permite a visualização do fluxo de caixa e a criação de projeções financeiras, que ajudam a apoiar a tomada de decisões importantes para o condomínio.

Seguindo estes conselhos, sem dúvida, a gestão do seu condomínio será organiza e você será reconhecido pelo bom trabalho realizado.

Deixe seu comentário

oito + doze =